Início Atualidade Economia da Zona Euro preocupa o BCE com perspectivas negativas e desaceleração...

Economia da Zona Euro preocupa o BCE com perspectivas negativas e desaceleração da inflação em 202

O futuro da economia da Zona Euro preocupa o Banco Central Europeu

O vice-presidente do Banco Central Europeu, Luis de Guindos, expressou preocupação com a atividade econômica na Zona Euro. Embora a evolução da inflação em 2023 seja uma “boa notícia”, os dados indicam uma contração da economia em dezembro, confirmando a possibilidade de uma recessão técnica na segunda metade de 2023.

Desaceleração econômica e perspectivas negativas

Luis de Guindos afirmou que o abrandamento econômico até agora foi gradual e contido, mas os dados indicam que o futuro permanece incerto e as perspectivas são inclinadas para o negativo. Apesar dos primeiros sinais de correção no mercado de trabalho, com a taxa de desemprego caindo para 6,4% em novembro, o vice-presidente do BCE alerta para o forte recuo da inflação em 2023.

Expectativas de desaceleração da inflação em 2023

Houve uma aceleração da inflação para 2,9% em dezembro, depois de atingir o valor mais baixo em dois anos no mês anterior (2,4%). Mesmo assim, Luis de Guindos afirma que o ritmo de desinflação de 2023 provavelmente abrandará este ano e pausará temporariamente no início do ano.

MAIS:  Ações da EDP Renováveis têm recomendação elevada, mas previsões de perda de valor preocupam

Decisões baseadas em dados

Assim como o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, o vice-presidente do BCE garantiu que as decisões serão tomadas com base em dados. Embora não tenha fornecido perspectivas sobre quando começarão a diminuir as taxas de juros, Luis de Guindos acredita que o nível atual das taxas de juros terá um contributo substancial para o retorno da inflação à meta do BCE.

Pausa na política monetária

Na última reunião de 2023, o BCE decidiu manter as taxas de juros inalteradas. Isso levanta a questão de quando os bancos centrais começarão a reduzir as taxas de juros, o que causou um “rally” nas bolsas europeias e nos Estados Unidos.

Artigo anteriorColocar o mercado de carbono em operação
Próximo artigoEngel & Völkers regista volume de negócios superior a mil milhões de euros em 2023