Início Atualidade OPEP+ decide cortar oferta de petróleo para evitar queda de preços

OPEP+ decide cortar oferta de petróleo para evitar queda de preços

Bruxelas: Portugal vai de encontro às recomendações europeias ao conceder subsídios para combustíveis

OPEP+ decide cortar oferta de petróleo para evitar queda de preços

Os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, conhecidos como OPEP+, decidiram cortar adicionalmente a oferta de crude ao mercado para evitar a queda dos preços da matéria-prima.

Menor oferta do cartel e seus parceiros

A menor oferta da OPEP+ e o esforço adicional da Arábia Saudita e da Rússia para apertar as torneiras visam manter os preços sustentados. No entanto, a desaceleração econômica mundial pode levar a uma menor demanda, o que tem causado uma queda nas cotações.

Acordo atual da OPEP+

O atual acordo da OPEP+ prevê um corte conjunto na oferta de aproximadamente 3,66 milhões de barris/dia. Além disso, a Arábia Saudita reduziu voluntariamente mais um milhão de barris por dia à sua oferta, e a Rússia anunciou uma diminuição diária extra de 500.000 barris. Isso leva a uma retirada total de aproximadamente cinco milhões de barris diários do mercado.

Acordo preliminar para um corte extra

Segundo fontes da OPEP+, já existe um acordo preliminar para um corte adicional de mais de um milhão de barris por dia. Isso inclui o milhão adicional dos sauditas até julho de 2024, além de um contributo adicional de outros membros da OPEP+.

MAIS:  Os japoneses adquiriram uma empresa sediada em Paços de Ferreira especializada em soluções de embalagem

Reunião online

A reunião da OPEP+ está sendo realizada online, após o adiamento do encontro formal agendado anteriormente. Após o anúncio das decisões, os preços do Brent e do West Texas Intermediate tiveram um aumento de 1,4% e 1,8%, respectivamente, acumulando um ganho semanal superior a 5%.

Artigo anteriorLisboa alcança recordes máximos de mais de nove anos ao despedir-se de novembro
Próximo artigoEmpresas de energia renovável criticam entidades públicas por entraves aos projetos em Portugal