Início Atualidade A família EDP derruba a bolsa de Lisboa

A família EDP derruba a bolsa de Lisboa

A família EDP derruba a bolsa de Lisboa

Bolsa de Lisboa termina em baixa com atenção no Banco de Inglaterra e na Reserva Federal

A bolsa de Lisboa encerrou a sessão com uma queda de 0,64%, seguindo o sentimento das principais bolsas europeias. Os investidores estão avaliando as declarações do governador do Banco de Inglaterra, Andrew Bailey, que indicou que as taxas de juros podem ter que subir novamente. Além disso, estão aguardando a divulgação das atas da reunião de novembro do Federal Reserve dos Estados Unidos.

Família EDP tem maior queda

No mercado português, o destaque ficou para a família EDP, com a EDP Renováveis tendo o pior desempenho em cerca de um mês e meio, com uma queda de 3,02% para 15,8 euros. Já a EDP registrou uma queda de 1,99% para 4,237 euros. Essa redução no preço-alvo da EDP se deve, principalmente, à diminuição do “spread” de longo prazo sobre o custo de capital médio ponderado (WACC) da empresa, de 300 pontos-base para 230 pontos-base, segundo o banco de investimento HSBC.

MAIS:  Principais índices em Wall Street em alta com expectativa de cortes de taxas de juro

Greenvolt e outras empresas também têm quedas

A Greenvolt registrou a terceira maior queda, com uma desvalorização de 1,84% para 6,68 euros. A REN também apresentou uma queda de 0,82% para 2,405 euros. Outra empresa que teve uma queda foi a Altri, com uma desvalorização de 1,36% para 4,784 euros. A Galp recuou 1,28% para 13,455 euros, acompanhando a leve queda nos preços do petróleo.

JM, BCP e Mota-Engil têm ganhos

As ações da Jerónimo Martins e do BCP foram os destaques positivos, sendo as que mais subiram. A Jerónimo Martins acompanhou o setor na Europa, que teve bons resultados, e registrou um ganho de 1,29% para 21,92 euros. Enquanto isso, o BCP teve um aumento de 0,51% para 0,2937 euros. A Mota-Engil também teve um desempenho positivo, com um avanço de 0,46% para 3,25 euros.

Artigo anteriorFamílias de adolescentes adictos às redes sociais processam as grandes empresas de tecnologia
Próximo artigoProdução automóvel em Portugal registou uma quebra de 22% em outubro, mas ainda há um crescimento marginal no acumulado do ano