Início Atualidade A ineficiência das redes elétricas está retardando a transição energética

A ineficiência das redes elétricas está retardando a transição energética

A ineficiência das redes elétricas está retardando a transição energética

As redes elétricas mundiais estão em risco, alerta relatório da AIE

Os esforços para combater as alterações climáticas e garantir um abastecimento fiável de eletricidade poderão ser postos em risco se os decisores políticos e as empresas não tomarem rapidamente medidas para melhorar e expandir as redes elétricas mundiais, revela um novo relatório da Agência Internacional de Energia (AIE). O estudo destaca a importância das redes elétricas na transição para as energias limpas e alerta para a falta de ambição e atenção nessa área.

Relatório sugere a necessidade de expansão das redes elétricas

Segundo o relatório da AIE, o mundo precisa de acrescentar ou substituir 80 milhões de km de redes até 2040 para cumprir os objetivos climáticos nacionais e apoiar a segurança energética. O estudo destaca que as redes elétricas não estão a acompanhar o rápido crescimento das energias renováveis, o que poderá comprometer o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5°C.

Projetos de energias renováveis à espera de serem ligados à rede

O relatório identifica uma fila grande e crescente de projetos de energias renováveis à espera de luz verde para serem ligados à rede. Atualmente, existem 1.500 gigawatts desses projetos em fase avançada de desenvolvimento, um valor cinco vezes superior à capacidade de produção de energia solar e eólica adicionada no ano passado. Para atingir os objetivos nacionais em matéria de clima e energia, serão necessárias grandes alterações nas redes e um aumento significativo do investimento.

MAIS:  A pior medida do OE e o elogio da CGD

Relatório alerta para os impactos de um atraso na expansão das redes elétricas

Um cenário desenvolvido pelo relatório mostra os impactos de um atraso na expansão das redes elétricas. Se o investimento na rede não for aumentado rapidamente e as reformas regulamentares forem lentas, as emissões cumulativas de dióxido de carbono seriam quase 60 mil milhões de toneladas mais elevadas entre 2030 e 2050. Isso resultaria num maior consumo de combustíveis fósseis e um aumento significativo da temperatura global, ultrapassando os objetivos do Acordo de Paris.

Ações estratégicas para melhorar as redes elétricas

O relatório destaca a importância da expansão e reforço das interligações das redes dentro e entre países para tornar os sistemas de eletricidade mais resistentes e integrar melhor as energias renováveis. Recomenda-se também o apoio a projetos de transmissão em grande escala e a adoção da digitalização das redes para torná-las mais resistentes e flexíveis. É urgente uma ação decisiva, pois os processos de modernização e expansão das redes têm longos prazos, enquanto a adoção de energias renováveis e infraestruturas de carregamento para veículos elétricos é mais rápida.

MAIS:  Nubank expande o mercado de criptomoedas oferecendo mais opções aos clientes

Colaboração internacional é essencial na expansão das redes elétricas

O relatório destaca a necessidade de colaboração internacional para melhorar e expandir as infraestruturas de rede em países de todo o mundo. As economias emergentes e em desenvolvimento precisam de mais investimentos nas redes elétricas para atender à crescente demanda de eletricidade e alcançar os objetivos de acesso à energia. A mobilização de financiamento e o compartilhamento de tecnologia e melhores práticas são essenciais para garantir o desenvolvimento sustentável e reduzir os riscos das alterações climáticas.

Artigo anteriorCaso EDP: Magistrada que já foi casada com membro do GES solicita afastamento do processo judicial.
Próximo artigoJohn Elkington: “A ESG é importante, mas não é a solução para todos os problemas.”