Início Atualidade Portugueses colocam redes sociais no pódio de fontes de atualização, mas credibilidade...

Portugueses colocam redes sociais no pódio de fontes de atualização, mas credibilidade permanece na media tradicional

Portugueses colocam redes sociais no pódio de fontes de atualização, mas credibilidade permanece na media tradicional

O mais recente estudo da Havas Media Network revelou que os canais de televisão abertos e motores de busca continuam a liderar o top de meios mais usados pelos portugueses para se manterem informados, apresentando um crescimento na perceção de indispensabilidade de todos os meios, à exceção dos jornais.

Com este padrão de consumo a manter-se, os resultados são, no entanto, variantes consoantes as faixas etárias, onde, até aos 34 anos, as redes sociais e os motores de busca lideram e o Youtube e Streaming de Música apenas marcam presença no TOP 5 de relevância dos mais jovens (15/24 anos).

Por outro lado, no que respeita ao pódio das fontes de novas descobertas, esta perceção é das mais consensuais entre idades, com os motores de busca a manterem-se como a plataforma principal, seguido das redes sociais, ambos a demonstrarem um aumento significativo face ao período homólogo. Apenas na faixa etária dos 15/34 anos, existe uma troca de posições, onde as redes sociais lideram o ranking neste indicador.

MAIS:  Aumento de 2,5% nos custos de construção em agosto devido à mão-de-obra

Não obstante, o pódio da credibilidade de informações continua a pertencer aos meios tradicionais, com reforço dos canais de televisão generalista na liderança e a subirem 3 pp., tal como os motores de busca.

No que se refere à publicidade, a tendência mantém-se com os canais de televisão abertos, as redes sociais e a rádio integram o top 3 de atenção, com o Youtube a subir à quarta posição desta categoria.

Nota técnica: nesta quarta edição do estudo, foram realizadas 600 entrevistas a pessoas residentes em Portugal Continental, com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos, em outubro de 2023.

Artigo anteriorEngel & Völkers regista volume de negócios superior a mil milhões de euros em 2023
Próximo artigoPreços do petróleo continuam em baixa devido a fundamentos de mercado fracos