Início Atualidade Os desafios e pressões do BCE para a sustentabilidade dos bancos europeus

Os desafios e pressões do BCE para a sustentabilidade dos bancos europeus

clima

O Banco Central Europeu ameaça multar bancos por não cumprirem recomendações

Os bancos que operam no mercado europeu e não seguirem as recomendações do Banco Central Europeu (BCE) podem enfrentar multas. O aviso foi dado por Frank Elderson, vice-presidente do Mecanismo Único de Supervisão (MUS), braço de supervisão prudencial do BCE. Isso é significativo porque o BCE nunca havia aplicado multas por não cumprimento de recomendações antes. O aviso de Elderson se refere à necessidade dos bancos considerarem os riscos das alterações climáticas em seus modelos de negócio.

Bancos europeus estão atrasados na adaptação aos riscos climáticos

O Banco Central Europeu avaliou a adaptação dos bancos europeus aos riscos relacionados com o aquecimento global e concluiu que a maioria deles está atrasada nesse processo. Os bancos serão obrigados a analisar as implicações das alterações climáticas em suas carteiras de crédito e verificar a resiliência perante eventos climáticos extremos. Além disso, eles precisam ter informações não financeiras (ESG) sobre seus clientes para fazer uma avaliação completa dos impactos no balanço.

MAIS:  Cepsa instalará mais de 1800 carregadores ultrarrápidos em Portugal e Espanha

Bancos devem diferenciar produtos e serviços e transformar-se organicacionalmente

Os bancos devem diferenciar produtos e serviços para incluir opções sustentáveis, como créditos e investimentos em projetos verdes. Além disso, precisam transformar-se enquanto organizações, preocupando-se com a redução de emissões de carbono, paridade de género e solidez dos modelos de governança. A transição para a sustentabilidade acarreta custos iniciais e adicionais, mas também tornará o setor financeiro mais resiliente e preparado para criar valor a longo prazo.

Resultados finais da COP28 ficam aquém do necessário para limitar o aquecimento global

Os resultados finais da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28) não foram satisfatórios para limitar o aquecimento global. Segundo a Agência Internacional de Energia, os compromissos de redução das emissões assumidos por países e empresas do setor de combustíveis fósseis são insuficientes para atingir a meta de limitar o aquecimento global a 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais.

Reunião da COP28 ameaçada por influência de países e empresas ligadas ao petróleo

Desde o início, a reunião da COP28 foi ameaçada por pressões de países e empresas do setor do petróleo. O acordo final foi cercado de polémica devido a acusações de pressões por parte da Arábia Saudita para evitar metas de redução da produção e consumo de petróleo.

MAIS:  Polícia Judiciária identifica 425 "mulas" de dinheiro causando prejuízo de 16,7 milhões de euros em Portugal
Artigo anteriorEspanha ganha 79,3 milhões de euros com leilões de capacidade de troca de electricidade com Portugal e França
Próximo artigoRegulador português impõe restrições aos dividendos dos bancos nacionais