Início Atualidade A consultora Oxford Economics prevê uma inflação de 23% durante este semestre...

A consultora Oxford Economics prevê uma inflação de 23% durante este semestre em Angola

PREVISÃO DE SUBIDA DOS PREÇOS EM ANGOLA

A consultora Oxford Economics prevê que a subida dos preços em Angola chegue a 23% durante este semestre.

INFLAÇÃO DE DEZEMBRO

A inflação de dezembro em Angola atingiu 20%, o valor mais alto desde agosto de 2022.

AUMENTO DO PREÇO DA ALIMENTAÇÃO E DAS BEBIDAS

A subida contínua no preço da alimentação e das bebidas reflete o impacto adverso da desvalorização do kwanza em maio e junho de 2023.

ANÁLISE DOS ANALISTAS DA OXFORD ECONOMICS

Os analistas da consultora Oxford Economics afirmam que a inflação em Angola deverá continuar a subir durante o primeiro semestre deste ano.

ACELERAÇÃO DA INFLAÇÃO

A inflação em Angola acelerou para 20% em dezembro, em comparação com o crescimento de 18,2% registado em novembro do ano passado.

DESVALORIZAÇÃO DO KWANZA

A forte fraqueza da moeda desde maio levou a um ressurgimento da inflação alimentar.

REDUÇÃO NOS SUBSÍDIOS AOS COMBUSTÍVEIS

A redução nos subsídios aos combustíveis também contribuiu para o aumento da inflação em Angola.

BANCO NACIONAL DE ANGOLA

O Banco Nacional de Angola deverá manter a taxa de câmbio entre os 830 e 845 kwanzas por dólar até o final deste ano.

MAIS:  Produção automóvel em Portugal registou uma quebra de 22% em outubro, mas ainda há um crescimento marginal no acumulado do ano

PREVISÃO PARA A INFLAÇÃO

A previsão da Oxford Economics é que a inflação em Angola aumente de uma média de 13,6% em 2023 para 21,3% em 2024.

AUMENTO DAS TAXAS DE JURO

O Banco Nacional de Angola está relutante em aumentar as taxas de juro devido à fraqueza da economia nacional, mas é previsto um aumento de 150 pontos base neste semestre.

RECUPERAÇÃO ECONÔMICA

Prevê-se uma modesta recuperação econômica em Angola neste período.

Artigo anteriorJPMorgan revisa recomendação das ações da Galp para neutral e aumenta preço-alvo
Próximo artigoRevisão da classificação das obrigações do BCP para AA+