Início Atualidade Investimento na linha Violeta do Metro ultrapassa 527 milhões

Investimento na linha Violeta do Metro ultrapassa 527 milhões

O governo assegura que a linha Roxa estará em funcionamento até 2026

Financiamento e cronograma do projeto da Linha Violeta do Metropolitano de Lisboa

A futura linha Violeta do Metropolitano de Lisboa, que ligará Loures e Odivelas, será financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência até 2026, e pelo Orçamento do Estado (OE) em 2027. O Governo autorizou uma despesa total de 527,3 milhões de euros para este projeto de metro ligeiro de superfície. As alterações introduzidas não afetarão a operacionalidade do sistema até o final de 2026. Além disso, algumas obras complementares serão estendidas até 2027, mas não comprometerão o funcionamento do sistema.

Alterações no projeto e ajuste de prazo e investimento

Após os estudos iniciais, foram necessárias alterações substanciais no projeto da linha Violeta. Isso inclui a construção de viadutos e 3,3 quilômetros de via em túnel. Além disso, os custos com reordenamento urbano, expropriações e aumento dos custos unitários da energia e dos materiais também afetaram o prazo e o valor de investimento do projeto. A repartição de encargos ocorrerá entre 2022 e 2027.

Financiamento do projeto

Até 2026, o Plano de Recuperação e Resiliência financiará o projeto da linha Violeta. No próximo ano, serão necessários mais de 87,6 milhões de euros. O Orçamento do Estado contribuirá com 77,3 milhões em 2026 e 60 milhões em 2027, podendo ser reduzidos caso haja financiamento adicional proveniente do Plano de Recuperação e Resiliência.

MAIS:  Novo regulamento do Banco de Portugal sobre reserva de capital para risco sistémico no mercado imobiliário

Características da linha Violeta

A linha Violeta terá um total de 17 estações e aproximadamente 11,5 quilômetros de extensão. No concelho de Loures, serão criadas nove estações, abrangendo as freguesias de Loures, Santo António dos Cavaleiros e Frielas, em cerca de 6,4 quilômetros. Já no concelho de Odivelas, haverá oito estações que servirão as freguesias de Póvoa de Santo Adrião e Olival de Basto, Odivelas, Ramada e Caneças, em cerca de 5,1 quilômetros. As estações terão diferentes tipologias, incluindo 12 de superfície, 3 subterrâneas e 2 em trincheira.

 

Artigo anteriorAngola estreou o projeto diamantífero de maior dimensão já visto no país
Próximo artigoBitcoin tem semana decisiva enquanto busca novos níveis, com foco na inflação e na aprovação do ETF