Início Atualidade Moedas critica ativismo radical e pede ao Governo liderança moderada

Moedas critica ativismo radical e pede ao Governo liderança moderada

Moedas

O país precisa de pragmatismo e coragem para fazer, afirma Carlos Moedas

Naquele que foi o seu segundo discurso enquanto anfitrião das cerimónias do 5 de Outubro, Carlos Moedas criticou “a falta de um ativismo social moderado” e afirmou, perante o primeiro-ministro, António Costa, que o país precisa de “pragmatismo e coragem para fazer”.

Lisboa terá uma iniciativa para celebrar o 25 de Novembro

E na sequência do alerta contra os radicalismos, o autarca de Lisboa anunciou que, no próximo ano, para além dos festejos históricos do 25 de Abril – que assinala 50 anos em 2024 -, a “Câmara de Lisboa terá uma iniciativa para celebrar o 25 de Novembro”.

O 5 de outubro exige que olhemos para as pessoas

Recorrendo ao peso da data hoje celebrada, que comemora a Implantação da República, o autarca lisboeta afirmou que cabe aos atores políticos não deixar que estas datas sejam apenas “símbolos decorativos” ou “celebradas pelos políticos mas de certa forma ignorada pelas pessoas” e desafiou a que o país olhe para os cidadãos.

MAIS:  Porsche lança novo Macan elétrico em Portugal | Preços e especificações

Olhar para os idosos que se sentem esquecidos e desprotegidos

“O 5 de outubro exige que olhemos para as pessoas, para os idosos que se sentem esquecidos e desprotegidos”, afirmou, realçando uma ideia que tem já vindo a repetir: “O senhor primeiro-ministro sabe que pode contar connosco para construir um Estado social local que complemente o Estado social nacional”.

Baixar impostos e não trabalhar apenas para alimentar a máquina do Estado

Desafiou também a que se olhe para os que trabalham, que vivem hoje “sobrecarregados com impostos”. “Quero dizer-lhes que é possível baixar impostos e não trabalhar apenas para alimentar a máquina do Estado”, atirou, acrescentando que Lisboa continuará a fazê-lo.

Criação da famosa fábrica de unicórnios

“Também eu saí do país e senti isso. Quero, por isso, atrair talento para Lisboa”, afirmou, lembrando a “criação da famosa fábrica de unicórnios” que já permitiu, segundo o próprio, atrair mais de 150 empresas tecnológicas.

O país pode ser ainda mais sem recorrer à falsa solução dos radicalismos

Carlos Moedas terminou dizendo que o país deve reconhecer que “podemos ser ainda mais, sem nos vermos obrigados a recorrer à falsa solução dos radicalismos”. Mas isso, acrescentou, “só é possível com uma liderança moderada”.

MAIS:  O preço do petróleo diminuiu 3%. Está atingindo seus níveis mais baixos desde junho em Londres
Artigo anteriorAlphaValue e Citi reduzem meta da Jerónimo Martins
Próximo artigoMarcelo solicita reformas visando evitar contrarreformas