Início Atualidade Alstom revisa previsões e despencade 38% na bolsa

Alstom revisa previsões e despencade 38% na bolsa

Alstom revisa previsões e despencade 38% na bolsa

ALSTOM REGISTA QUEDA DE 38% NAS AÇÕES DEVIDO A ATRASOS EM CONTRATOS

A Alstom, empresa francesa de fabricação de comboios, viu suas ações caírem 38% após revisar para baixo suas previsões de tesouraria. Isso se deve aos atrasos em contratos no Reino Unido, incluindo um importante projeto para o Metro de Londres. Com essa queda, a capitalização bolsista da Alstom foi reduzida em um terço.

ATUALIZAÇÃO DO CONTRATO NO REINO UNIDO PREVISTA PARA 2024

A Alstom espera agora completar o contrato no Reino Unido no ano fiscal de 2024-2025, quando o calendário inicial previa a primeira metade deste ano. Problemas nas cadeias de abastecimento e uma redução no número de encomendas também contribuíram para a revisão das perspetivas de tesouraria.

ANÚNCIO DE CASH FLOW NEGATIVO

A Alstom anunciou que espera um cash flow negativo de até 750 milhões de euros para o ano fiscal completo, o que representa um corte significativo em relação à previsão anterior de resultados positivos. O atraso do projeto no Reino Unido é responsável por cerca de um terço dessa redução. A empresa teve um cash flow negativo de 1,15 bilhão de euros nos seis meses até setembro.

MAIS:  AlphaValue e Citi reduzem meta da Jerónimo Martins

PREOCUPAÇÕES APÓS AQUISIÇÃO DA BOMBARDIER

A aquisição das operações de comboios da Bombardier há três anos tem gerado pressão sobre as ações da Alstom. A empresa tem culpado a má gestão da Bombardier pelos atrasos nas entregas e pelas despesas adicionais necessárias para concluir as encomendas em carteira. Além disso, houve uma baixa aceitação por parte dos clientes, com apenas 87% dos comboios pagos.

POSSIBILIDADE DE AUMENTO DE CAPITAL

Gael de-Bray, analista do Deutsche Bank, destaca que este revés coloca pressão sobre a equipa de gestão da Alstom e afirma que um aumento de capital é altamente provável. A empresa precisa lidar com riscos de execução elevados devido a atrasos em projetos de comboios nos Estados Unidos e no Reino Unido.

IMPACTO NO MERCADO PORTUGUÊS

A Alstom está na corrida ao fornecimento de 117 comboios à CP em Portugal. A empresa anunciou planos de investimento em uma fábrica de comboios em Matosinhos, visando ganhar o concurso da CP. Isso envolveria a transferência de tecnologia, o desenvolvimento de competências locais e a criação de emprego em Portugal. Um relatório preliminar indicou que o consórcio Alstom-DST é o favorito para vencer o contrato.

MAIS:  EDP apresentará projetos inovadores na conferência COP28 das Nações Unidas
Artigo anteriorEspanhóis ricos abandonam regime de residentes não habituais em favor da “lei Beckham”
Próximo artigoUE eliminará gases nocivos em refrigeradores e condicionadores de ar até 2050