Início Atualidade Há previsões de abrandamento da economia global até 2024, alerta Banco Mundial

Há previsões de abrandamento da economia global até 2024, alerta Banco Mundial

economia global

Economia global abrandará em 2024, alerta Banco Mundial

O Banco Mundial divulgou projeções indicando que, apesar do bom desempenho dos Estados Unidos, o ano de 2024 marcará o terceiro ano consecutivo de abrandamento global. A instituição prevê um crescimento global de apenas 2,4% em 2024, quase três quartos de um ponto percentual abaixo da média da década anterior. O economista-chefe do Banco Mundial alerta para a possibilidade da década de 2020 ser considerada uma década de oportunidades desperdiçadas.

Crescentes tensões geopolíticas podem afetar a economia mundial

Embora reconheça que a economia mundial está em melhor situação do que há um ano, o Banco Mundial alerta para os perigos que as crescentes tensões geopolíticas podem representar para a economia global a curto prazo.

Previsões de crescimento mais baixo para economias avançadas e em desenvolvimento

Para as economias avançadas, incluindo Portugal, Zona Euro e União Europeia, o Banco Mundial prevê um crescimento de apenas 1,2% este ano, em comparação com os 1,5% em 2023. Já as economias em desenvolvimento deverão crescer apenas 3,9%, mais de um ponto percentual abaixo da média da década anterior. O Banco Mundial destaca a importância de investimentos e políticas orçamentais diferenciadas para retomar uma trajetória de crescimento mais robusto.

MAIS:  A Mitsubishi Motors pretende vender veículos elétricos desenvolvidos pela Renault sob sua própria marca no Sudeste Asiático e Europa

Países de baixo rendimento serão os mais afetados

O Banco Mundial aponta que os países considerados de baixo rendimento, principalmente localizados na África Central, terão um crescimento de apenas 5,5%, mais fraco do que o previsto anteriormente. No final de 2024, cerca de um em cada quatro países em desenvolvimento e cerca de 40% dos países de baixo rendimento continuarão a ser mais pobres do que antes da pandemia de COVID-19 em 2019. O economista-chefe do Banco Mundial ressalta a preocupação com o crescimento fraco, a elevada dívida e o acesso insuficiente a alimentos em muitos países em desenvolvimento.

Artigo anteriorOs japoneses adquiriram uma empresa sediada em Paços de Ferreira especializada em soluções de embalagem
Próximo artigoA Temu ultrapassa a Shein e se torna a terceira maior força mundial de retalho online